terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Pense.

[Eu escrevi o texto ontem, dia 31, mas o tempo só permitiu a postagem hoje, dia 1º. Mas espero que a mensagem consiga ser transmitida mesmo assim!]




Fim de ano significa recomeçar, acertar, planejar. O Natal chega e todo mundo resolve entrar no espírito de paz, de amor, de fraternidade. As pessoas entendem o que é perdoar, e melhor que isso, praticam o perdão. No Natal todos são iguais, todos merecem viver e não só existir. Nos últimos dias do ano surge uma energia positiva que envolve todos os corações, há uma esperança que desperta os sonhos mais impossíveis, aqueles planos mais utópicos, que aquece as almas mais congeladas pelo sofrimento. Nos últimos dias do ano não há tristeza que não consiga sorrir, nem fraqueza que não se sinta mais forte, porque nos últimos dias do ano as mágoas e as dores ficam no passado e virá novos 365 dias para tentar ser feliz outra vez. Nos últimos dias do ano tudo se torna possível, o mal se torna fraco e o bem se torna forte, a memória se torna recente e tudo que ficou pra trás já não interessa...

Mas por quê?!

É uma simples passagem de ano, uma contagem regressiva, uma volta completa da Terra em torno do Sol, a transição de um dia para outro e tudo continuará a mesma coisa. As pessoas serão as mesmas, o mundo será o mesmo, os problemas serão os mesmos e a vida continuará a mesma. Porque o fim do ano só acontece a cada 365 dias e nesse espaço de tempo a humanidade esquece de perdoar. Esquece de sonhar. Esquece de amar. E em um mês ninguém consegue recuperar o estrago de um ano inteiro. Hoje, 31 de dezembro de 2008, todos os brasileiros vão esquecer das barbáries cometidas no nosso país, esquecerão da incompetência dos nossos policias, que vitimaram muitos inocentes, esquecerão da monstruosidade de pais matando os próprios filhos, da curiosidade mórbida da população, do sensacionalismo e da falta de ética da mídia, esquecerão dos mais inúmeros casos de corrupção e falta de caráter daqueles que escolhemos para governar o nosso país, esquecerão dos crimes, assaltos, assassinatos, acidentes que aconteceram, longe ou perto de cada um, que foram expostos exaustivamente pela mídia ou simplesmente "não ocorreram" para o resto do Brasil. Hoje, o mundo vai esquecer das milhares de pessoas que morreram sem motivos, dos prisioneiros das FARC que esperam a liberdade, das crianças que esperam a vida e daqueles que já não saber mais esperar pela paz.


Tudo isso parece um discurso pessimista, talvez duro e insensível, uma vez que todos nós, depois de tantos dias e noites de luta, depois de tantas dores e quedas, depois de tantas perdas e lágrimas, temos direito ao sonho, à renovação, às alegrias e a esquecer dos problemas, mesmo que momentaneamente. Mas porque isso se restringe somente ao fim do ano? Ao começo do próximo? Dar para si a chance de se renovar deveria acontecer sempre que preciso, sonhar deveria ser um exercício diário e as dificuldades deveriam ser lições, aprendidas, e não um castigo prolongado e repetitivo. Perdoar, amar, querer ajudar, ter esperanças, lutar pelos ideais não deviam ser vontades afloradas em apenas uma época do ano, deveriam ser desejos arraigados na nossa alma e distribuídos ao mundo.

O respeito não pode ser esquecido. O amor, a alegria, a saúde e a dignidade não podem ser privilégios de alguns. O bem é contagioso, basta tê-lo em você e querer vê-lo no próximo. Há um mundo que espera por nós, que podemos agir mas ficamos parados. Há um mundo que já conjugou demais o verbo 'sonhar' e que agora precisa conjugar o verbo 'realizar'. Há um mundo com a mão estendida para nós, esperando pela chance de viver.

3 comentários:

Eduardo Porto disse...

Esse texto não é só bonito. É um texto que tem alma, que toca, que quase tem vida.

E quando eu digo que você é uma escritora de mão cheia, eu não tô mentindo.

Beijos Lari.

ccauan disse...

boa lari :D
muito bom mesmo :) gostei muito disso de começar o texto de um jeito meio "sonhador", meio "na vibe do fim-de-ano"(:P), e depois descer o pau nesses conceitos :D
gostei muito, meu!
beijãOo lari ;***

Raiana disse...

Puxa, descobri porque fim de ano é melancólico pra mim...;)
Mas falando sério, com certeza esquecemos tanto das mazelas do mundo, quanto das oportunidades de mudá-las, da renovação da nossa esperança por um mundo melhor...
SE a gente conseguisse ficar atento, ao mesmo tempo, à essas duas coisas, durante todo o ano..
Acho que isso não acontece porque estamos sempre muito voltados para nós mesmos, nunca para o outro... Deveríamos ser menos egoístas..
Mas vamos tentar então fazer novas coisas esse ano! ^^
Beijo Larih!